images/Logo_Neuronio.png

Economia de partilha vai ‘explodir’ até 2020

As receitas geradas pelas empresas da chamada economia da partilha vão disparar nos próximos anos. Dos 6,4 mil milhões de dólares alcançados em 2015 vão passar para os 20 mil milhões até 2020, triplicando assim o seu valor. As plataformas de partilha das gigantes como a Uber, Airbnb e TaskRabbid irão beneficiar da crescente aceitação deste tipo de ofertas até final da década. E a expansão deste tipo de oferta nos mercados emergentes, conjugada com o crescimento nas demais regiões, fará com que este negócio registe elevados retornos para os investidores, garante a Juniper Research.

O mais recente estudo da Juniper Research, "Sharing Economy: Opportunities, Impacts, and Disruptors 2016-2020", analisa o impacto de novos modelos de negócio, que se tornaram os maiores exemplos do conceito de economia de partilha. A consultora refere que várias indústrias já sofreram disrupções com estes novos modelos, como o setor da logística e dos transportes, e mais setores tradicionais irão passar pelo mesmo nos próximos anos.

Fornecedores de serviços pessoais partilhados, como a TaskRabbit, Airtasker e a plataforma japonesa Anytimes, verão as suas soluções tornarem-se populares junto dos consumidores que querem manter um equilíbrio saudável entre o trabalho e a vida privada, já que permitem poupar tempo. Algumas indústrias vão ter o maior impacto nos próximos dez anos, especialmente as áreas de entrega e de produção, que é já uma das indústrias emergentes, com apoio de grandes players e um espaço significativo para crescimento e desenvolvimento.

O mais recente estudo da Juniper Research, "Sharing Economy: Opportunities, Impacts, and Disruptors 2016-2020", analisa o impacto de novos modelos de negócio, que se tornaram os maiores exemplos do conceito de economia de partilha. A consultora refere que várias indústrias já sofreram disrupções com estes novos modelos, como o setor da logística e dos transportes, e mais setores tradicionais irão passar pelo mesmo nos próximos anos.

Fornecedores de serviços pessoais partilhados, como a TaskRabbit, Airtasker e a plataforma japonesa Anytimes, verão as suas soluções tornarem-se populares junto dos consumidores que querem manter um equilíbrio saudável entre o trabalho e a vida privada, já que permitem poupar tempo. Algumas indústrias vão ter o maior impacto nos próximos dez anos, especialmente as áreas de entrega e de produção, que é já uma das indústrias emergentes, com apoio de grandes players e um espaço significativo para crescimento e desenvolvimento.

Por exemplo, a GM já opera a sua plataforma FirstBuild com o conceito da inovação colaborativa, com um número de projetos já concretizados e encomendas para os fornecedores. Outros, como a TechShop, permitem o acesso a workshops tecnologicamente avançados, reduzindo os tempos de produção para os protótipos e conceitos, enquanto potenciam o aumento de escala dos projetos de produção concebidos por startup's.

Por exemplo, a GM já opera a sua plataforma FirstBuild com o conceito da inovação colaborativa, com um número de projetos já concretizados e encomendas para os fornecedores. Outros, como a TechShop, permitem o acesso a workshops tecnologicamente avançados, reduzindo os tempos de produção para os protótipos e conceitos, enquanto potenciam o aumento de escala dos projetos de produção concebidos por startup's.

Top
We use cookies to improve our website. By continuing to use this website, you are giving consent to cookies being used. More details…